Noticias

Processos e modelos alternativos são chaves nas obras da Gel Engenharia

BRASIL – Em entrevista exclusiva para a CNC, Paulo Fernando Goetze, sócio-diretor da Goetze Lobato Engenharia Ltda (Gel Engenharia), fala sobre a empresa, suas obras, suas soluções, o mercado e os seus próximos passos.

CNC – Há quantos anos a Gel está no mercado?

Paulo Fernando Goetze – Foi fundada em 1983 e teve sua matriz transferida para Curitiba em 1991. Desde então tem participado do mercado de construção de obras públicas e privadas, somando mais de 25 anos de experiência.

CNC – Quais são as especialidades da Gel?

Paulo Fernando Goetze – Ao longo dos anos a empresa se especializou em projetos e execução de obras de saneamento básico, se tornando uma das empresas brasileiras com maior expertise no setor. Além do saneamento a empresa também atua em obras de construção de gasodutos, refinarias de petróleo, parques eólicos, obras rodoviárias, portuárias, habitação popular, edificações, hospitais, irrigação e instalações industriais. A empresa tem participação societária em uma concessionária de rodovias (Caminhos do Paraná), uma geradora de energia renovável (CER), uma de produção de etanol e açúcar (Bevap) e uma planta industrial de produtos em PRFV (Petrofisa).

CNC – Que obra de destaque executa atualmente?

Paulo Fernando Goetze – Estamos trabalhando para a Sanepar, com locação de ativo precedida de execução das obras de esgotamento sanitário para os municípios de Matinhos e Pontal do Paraná, no estado do Paraná. A obra engloba 514 km de rede coletoras, interceptores, 29 estações de esgoto e suas linhas de recalque e 25.900 ligações domiciliares. O investimento estimado é de R$ 252 milhões.

CNC – Qual o estágio atual?

Paulo Fernando Goetze – A obra se encontra com avanço físico e financeiro de 50% e tem previsão de sua conclusão para dezembro de 2018.

CNC – Quais foram os diferenciais nessa obra?

Paulo Fernando Goetze – A Gel Engenharia atuou por meio da SLP, empresa coligada, na obtenção dos recursos financeiros em bancos de fomento e será ressarcida através da locação dos ativos construídos, o VML (Valor Mensal de Locação) estabelecido na licitação pública. O VML será pago pela Sanepar por um período de 20 anos a partir da entrega de cada um dos 4 marcos contratuais. O primeiro foi entregue em dezembro de 2016, o segundo será concluído em agosto de 2017, o terceiro em março de 2018 e o quarto até dezembro de 2018.

CNC – A obra está no prazo?

Paulo Fernando Goetze – Este é um ponto de destaque, o prazo de execução da obra. Estava previsto contratualmente para 48 meses, porém temos previsão de antecipação para 34 meses.

CNC – Foram utilizados processos construtivos alternativos para a redução do prazo?

Paulo Fernando Goetze – Sim, um deles foi a solução de escoramento e contenção dos taludes das escavações para implantação das estações elevatórias em solos grampeados, o que possibilitou a redução dos prazos de execução, além de melhorar consideravelmente a segurança dos trabalhadores em atividades com até oito metros de profundidade. Outra solução foi a utilização de poços de visita rotomoldados em PEAD, o que contribuiu com o aumento da velocidade de execução das redes coletoras. Reduziu também a infiltração de águas do lençol freático na rede coletora de esgotos, em comparação à solução de poços de visita tradicionalmente usados no mercado em aduelas de concreto assentadas artesanalmente com acabamentos internos em argamassa.

CNC – E outros processos mais?

Paulo Fernando Goetze – A execução de ponteiras tipo “well points” de rebaixamento de lençol freático, tanto nas redes coletoras como nas escavações das elevatórias, em que foram utilizados até 3 níveis de rebaixamentos. E também a utilização de blindados, ao invés dos escoramentos tradicionais das valas das redes coletoras, possibilitando mais agilidade na execução das redes.

CNC – Os benefícios da obra podem ser expressos em números?

Paulo Fernando Goetze – Os Balneários Matinhos e Pontal do Paraná, redutos de residências de verão de muitos paranaenses, serão beneficiados com aumento expressivo dos percentuais de esgotos domésticos coletados e tratados. Matinhos terá 85% dos domicílios com esgotos domésticos coletados e tratados, e Pontal do Paraná, 75%. Isso, sem dúvida, melhorará muito as condições sanitárias e de saúde da população permanente dos municípios (33.024 em Matinhos e 24.878 em Pontal), e mudará para melhor as condições de balneabilidade de suas praias. Espera-se que com a adesão dos usuários à rede coletora a ser implantada com o projeto, as praias estejam entre as mais limpas e próprias para banho do país.

CNC – Que pontos fortes ou importantes de gestão podem ser destacados?

Paulo Fernando Goetze – Temos investido muito no desenvolvimento de ferramentas de gestão e governança coorporativa. Nos últimos anos contratamos a PMTG, empresa especializada em consultoria em empresas de construção e modernizamos a estrutura de gestão. A PMTG desenvolveu durante vários meses um programa de capacitação de todos os gestores da empresa, sediados nas obras ou na matriz.

CNC – Quais os objetivos desse programa?

Paulo Fernando Goetze – O treinamento individual dos profissionais, identificando os seus perfis e possibilitando maior aproveitamento em suas funções. O programa oferece palestras e dinâmicas em grupo, com o objetivo de integrar e potencializar as equipes, introduzindo o conceito de complementaridade e a importância do trabalho coletivo. Também revisamos os processos, com destaque para a divulgação da nova política e valores da empresa, e a sua arquitetura organizacional. Elaboramos manuais que revisaram os escopos de atuação das posições-chaves da empresa. Paralelamente selecionamos um grupo de jovens engenheiros que passou por treinamento e desenvolvimento específicos por mais de um ano.

CNC – Como a empresa se fortaleceu no mercado?

Paulo Fernando Goetze – Por várias ações. Criamos um departamento de projetos dentro da empresa, o que possibilita completa sinergia entre projetos e execução no caso de contratos “turn key”. Montamos também um departamento de gestão contratual, planejamento e controles de custos. Contratamos o sistema operacional RM para integração dos sistemas de gerenciamento da empresa. Constituímos a empresa Petrofisa, que fabrica tubos em PRFV e oferece alternativa para tubulações de água e esgotos. Para obras em métodos não-destrutivos adquirimos equipamentos próprios adequados: as escavadeiras hidráulicas GBM (Guided Burning Machine). Tudo com objetivo de otimizar custos, qualidade e prazos das obras contratadas.

CNC – E hoje? E o futuro da empresa e das obras no país?

Paulo Fernando Goetze – Obviamente o mercado de obras públicas passa por forte recessão, causada pela crise econômica, por crises políticas e institucionais com o impeachment, pelas mudanças do comando político do Brasil e pelos fortes impactos da operação “Lava Jato”. Nossa empresa passou por processos de ascensão e fortalecimento ao longo de vários anos de crescimento da economia, com forte avanço na construção de obras de infraestrutura no país. A Gel Engenharia opta neste momento por abrir novos mercados, para assim a alcançar as metas traçadas para faturamento anual e crescimento.

CNC – Qual é o alvo atual?

Paulo Fernando Goetze – Estamos apostando na retomada do crescimento e queremos participar na construção de plantas industriais de diversos segmentos. Temos experiência em execução de diversas obras, sejam edifícios industriais, estações de tratamento de resíduos industriais, plantas de reúso de água e até mesmo plantas completas em contratação “turn key”. Queremos investir nossas experiências em obras portuárias, por termos executado obras em cais acostáveis do tipo dinamarquês, píers vazados, pontes de acesso, aprofundamento de calados, dragagens, obras de retroporto, pavimentos, entre outras. Ainda, queremos participar de certames licitatórios relativos aos TUP’s privados, os Terminais de Utilidade Portuária. Executamos no passado muitas unidades habitacionais para população de baixa renda, e queremos participar novamente do Programa Minha Casa, Minha Vida, em especial na faixa de 1,5 dos programas da CEF. Pretendemos lançar mão de novas tecnologias de construção objetivando alcançar melhores resultados.

CNC – Outros setores da economia estão nos planos?

Paulo Fernando Goetze – O Agronegócio. Pretendemos participar junto aos clientes, em especial cooperativas, para construirmos armazéns graneleiros horizontais e verticais, projetos de irrigação, pequenas centrais hidrelétricas, indústrias voltadas para o ramo, de modo a atender às demandas desse segmento que vem crescendo no país.

CNC – Pensam em modelos de negócios alternativos?

Paulo Fernando Goetze – Pretendemos entrar em negócios estruturados de concessões públicas, PPPs e locações de ativos, aproveitando a experiência da Gel na administração de rodovias pedagiadas, na geração de energia eólica e hidrelétrica, em projetos de locação de ativos em obras de saneamento, em BOTs de estações de tratamento e em operação e manutenção de estações de tratamento de esgotos. Ao que parece, estas poderão ser as saídas para o avanço da infraestrutura do Brasil.

CNC- A Gel visa o mercado externo?

Paulo Fernando Goetze – A Gel tem investido forte em sua internacionalização, com participação em licitações públicas de obras de saneamento básico na Argentina, Panamá e Paraguai. Estamos estudando nossa participação na Colômbia, Equador, Peru e República Dominicana, ou seja, países que têm apresentado programas de implantação de obras de saneamento básico e contam com recursos financeiros provenientes de bancos internacionais de desenvolvimento.

CNC – Para finalizar… E a questão da ética?

Paulo Fernando Goetze – Faz parte da cultura organizacional da Gel a exigência de padrões de comportamentos éticos e de acordo com a legislação, no que se refere à maneira como seus colaboradores lidam com os outros no contexto profissional, como fazem negócios com clientes e fornecedores, bem como se comportam no desenvolvimento das atividades que a GEL se propõe. A Gel mantém o Programa de Compliance, cujas regras estão claramente definidas em nosso Manual de Ética e Compliance – Regras Anticorrupção, que orienta os nosso profissionais quanto à forma de sua atuação com terceiros, para que, além de atenderem às exigências legais, representem a consolidação dos parâmetros e padrões éticos de transparência e eficiência da empresa. Isso é de fundamental importância para a manutenção dos princípios que norteiam suas atividades, bem como para a imagem pública e a capacidade de fazer negócios com responsabilidade.

Fonte: CNC –